2) Teorias (ideias): são ideias orientadoras do sentido do passado e não estão descoladas, também, da vida prática (RÜSEN, 2001. p. 31). São os critérios de sentido, e são tais critérios que constituem a fundamentação teórica: “Elas constituem, assim, as perspectivas gerais nas quais o passado aparece como história. Elas formam modelos de interpretação para os quais as experiências da evolução temporal do homem e de seu mundo são transpostas e nos quais são integradas (RÜSEN, 2001, p. 32).

Quais seriam as pesquisas já feitas sobre o tema escolhido?

Qual teoria fundamentaria a pesquisa?

Como a historiografia vem trabalhando o tema?

Há contrações entre perspectivas diferente sobre o tema?

Enfim, são questões que pressupõem que todo tema já foi estudado, pesquisado. Por isso a importância de se fazer este levantamento.

Contudo, aqui se destaca o diferencial da presente pesquisa. Desta forma se justifica o trabalho

RÜSEN, Jörn. Razão histórica. Teoria da história: os fundamentos da ciência histórica. Trad. Estevão de Rezende Martins. Brasília: Editora Universidade de Brasília. 2001.