Créditos: 4

Carga horária: 60

Disciplina Obrigatória: Não

Ementa:

Reflexão das Infâncias e juventudes como objeto da História; Historiografia das infâncias e juventudes no Brasil; infâncias e juventudes e o Ensino de história; a LDB e os direitos humanos e a cultura de paz e a formação de crianças e adolescentes.

Bibliografia proposta pelo ProfHistória Nacional  (complementar)

AREND, Sílvia Maria Fávero. Histórias de abandono: infância e justiça no Brasil (década de 1930). Florianópolis: Ed. Mulheres, 2011. 

AREND, S. M. F. ; MOURA, E. B. B. de; SOSENSKI, S.. (Org.). Infâncias e Juventudes no século XX: Histórias Latino-Americanas. Ponta Grossa: Toda Palavra, 2018. 

ARIÉS, Philippe. História social da criança e da família. Trad. Dora Flaksman. 2 ed.Rio de e Janeiro: Guanabara, 1981. 

CARDOSO. Simone Rossi. Memórias e jogos tradicionais infantis: lembrar e brincar é só começar. EDUEL. Londrina. 2004.

CARVALHO, Carlos Henrique de; MOURA, Esmeralda Blanco B. de; ARAUJO, José Carlos Souza (org.) A infância na modernidade: entre a educação e o trabalho. Uberlândia, EDUFU, 2007.  

DEL PRIORE, Mary (org.). História das crianças no Brasil. São Paulo: Contexto, 1999. 

FREITAS, Marcos Cezar (org.). História Social da infância no Brasil. São Paulo: Cortez, 1997.  

MÜLLER, Verônica Regina (Org.). Crianças dos países de língua portuguesa: histórias, culturas e direitos. Maringá: EDUEM, 2011. 

MÜLLER, Verônica Regina, MORELLI, Ailton José (org.). Crianças e adolescentes: a arte de sobreviver. Maringá (PR): EDUEM, 2002. 

O mestrando deverá escolher três fontes históricas ligadas à temática da História das infâncias e juventudes para realizar uma crítica

As fontes podem ser de qualquer tipo (filmes, HQs, músicas, propagandas, fotos, etc) que representem uma visão pejorativa sobre os jovens para serem problematizadas.

Ao final do processo, o mestrando deverá:

  • Compreender que a infância e a juventude (ou ainda, a adolescência) é uma construção histórica

  • Introduzir-se na discussão e na pesquisa sobre a criança e o jovem.

  • Saber interpretar fontes que tratam de forma problemática a história das infâncias e juventudes

  • Entender que, para ensinar história, deve-se, a priori, compreender o sujeito-aluno

A disciplina foi criada pelo Prof. Dr. AILTON JOSÉ MORELLI

Minsitrada pela Profa. Dra. MÁRCIA ELISA TETÉ RAMOS no primeiro semestre de 2020